O censo demográfico de 2010 permite identificar 352 mil pessoas trabalhando em creches, das quais 116 mil são classificadas como professoras de educação pré-escolar,16 mil como professoras do ensino fundamental e 15 mil classificadas como “especialistas em métodos pedagógicos”. Somados,o total de 146 mil é semelhante aos 141 mil encontrados pelo Ministério da Educação no Censo Escolar de 2010, para atender a cerca de 2 milhões de crianças, uma média de 15 crianças por professor.  Além das professoras, existem 90 mil pessoas classificadas como “cuidadoras de crianças”, 30 mil trabalhadoras de limpeza e  20 mil cozinheiras. Do total, 97% são mulheres.

Somente 95 mil, menos de 30% , tem nível superior, o que significa que muitas das professoras não o têm. A renda mensal deste grupo de nível superior é significativamente maior do que a dos demais, mas é  bem pequena em relação à remuneração de pessoas de educação superior e professores de outros níveis de ensino. A  renda média do conjunto, de 855 reais, era pouco mais de uma vez e meia o salário mínimo da época, de 51o reais.

Estes dados, em conjunto com o dos professores dos diversos níveis, mostrados em postagem anterior, deixam evidente que, no Brasil, quanto mais  jovem  os alunos no sistema escolar, menos qualificados são seus professores e piores salários recebem, contrariando o fato de que uma creche, para ser mais do que um simples depósito de crianças, precisa de professores altamente qualificados e dedicados ao trabalho, e atendendo a um número bastante restrito de alunos, que necessitam de atendimento individual e personalizado.

 

 

 

 

Trackback

no comment untill now

Sorry, comments closed.