Embora não reste dúvida de que o suposto aumento do analfabetismo apresentado pela PNAD 2012 não foi nada mais do que uma flutuação estatística, é importante entender exatamente o que vem acontecendo, o que foi feito por Ruben Klein na análise abaixo, que complementa e enriquece a nota que publiquei antes sobre isto  (“aumentou o analfabetismo?”)

Diz Ruben Klein:

Também fiz as contas. As taxas de analfabetismo estão em tendência de queda. Na década passada vinham caindo cerca .28 pontos percentuais por ano. De 2009 para 2011 caiu mais de 1 ponto percentual, mas acho que é devido a correção dos setores censitários pelo censo demográfico de 2010 e pela nova amostra.

As taxas vêm caindo pois a cada ano, entra uma nova população de 15 anos com taxa de analfabetismo cada vez menor. De 2011 para 2012 caiu de 1.20% para 0.86%. Por outro lado temos o estoque, cerca de 62% dos analfabetos têm nais de 50 anos, cerca de 44% mais de 60 e cerca de 25% mais de 70 anos. Esse estoque tem redução muito lenta.

De alguma maneira, parece que a PNAD captou mais analfabetos nessa alta faixa etária, no Nordeste, provavelmente flutuação de amostra, tudo dentro do intervalo de confiança de 95%. Mesmo no Nordeste, o aumento não foi significativo.

As taxas de analfabetismo dos 14 aos 17 anos caíram ou estão estáveis. Em 2012, estão em torno de 1% ou abaixo. Podem cair mais 0.5 pontos percentuais?

As PNADs mostram que os programas e campanhas de alfabetização de adultos não têm tido nenhum efeito.

Creio que o importante é continuar melhorando a educação básica. Apesar de grande queda, cerca de 3% das crianças de 10 anos ainda são declaradas analfabetas. Era quase 10% em 1998.

Acho que seria importante haver programas efetivos de alfabetização de adultos jovens (até 30 anos?), mas ligados a programas de Educação de Adultos para conclusão do equivalente do Ensino Fundamental, ou pelo menos dos anos iniciais.

Anexo dois arquivos com as estimativas e seus erros padrão. Minha idade é anos completos em 30 de junho. Posso replicar essas contas para a idade do IBGE, última 4a feira de setembro. O primeiro arquivo TxAnalf15.xlsx é a taxa de analfabetismo para a população de 15 anos ou mais. O segundo é para cada idade de 6 a 20 anos (os arquivos em formato Excel estão disponíveis aqui)

Trackback

only 1 comment untill now

  1. augusto josé de sá campello @ 2013-10-03 14:42

    Boa tarde.

    Parabens ao trabalho de “number crunching”.

    Fui aluno e depois trabalhei com Mario Henrique Simonsen. Um destes loucos iluminados que nosso país teve. Enchendo o cinzeiro com os cigarros que fumava sem cessar, apresentava o trabalho que teríamos, um grupo de jovens ignorantes que “se achavam”. Mandava-nos em bando para bancos e instituições financeiras armados de questionários e planilhas a serem diligentemente preenchidas, respondidas. Alguém ponderou que as questões a serem levantadas para análise já faziam parte de outros levantamentos, etc. Ele quase jogou o cinzeiro em cima de nós. Mas, falou baixinho algo como : ” A verdade estatística pode ser um sonho dentro de um pesadelo. Vão fazer o que eu mandar seus # % /*** ”

    Felizmente, a “verdade” não foi radicalmente destruída pelo nosso trabalho.

    No caso presente, temo que não o seja, também. Mas, enquanto um esforço/investimento sério e suficientemente abrangente de levantamento/pesquisa direta não seja feito, permitam-me, aceito com ressalvas.

    Pode-se mesmo tentar um cruzamento destes dados com os que existem no Ministério da Educação. Provenientes das informações prestadas por Estados e Municípios visando as verbas federais. São mais atualizadas. Mas, aí reside um perigo. E, sem mais comentários…

    Cordialmente, AJSCampello