A propósito da anunciada saída de Claudia Costin da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, a publicação “Folha Dirigida” me pediu um breve comentário sobre sua gestão, reproduzido abaixo, publicado no Caderno de Educação  de 25 a 31 de março de 2014.

O que achou da gestão de Claudia Costin?

Quando, em 2009, Claudia Costin assumiu a Secretaria de Educação, encontrou uma situação calamitosa. Nos anos anteriores, com a implantação da “promoção automática” os alunos não eram avaliados, e o rendimento escolar, medido pelo IDEB, estava entre os mais baixos do país, com milhares de alunos analfabetos em todas as series. Os professores estavam desmotivados, não havia envolvimento dos pais, não haviam projetos para a educação infantil, e muitas escolas viviam em situações de violência e insegurança. Nos anos seguintes foram implantados, entre outros, programas de realfabetização, sistemas regulares de avaliação em português e matemática, sistemas de recompensa para escolas que melhorassem o desempenho, ampliação da educação infantil, o projeto “escolas do amanhã” para escolas localizadas em áreas de violência, o projeto do “ginásio carioca”, o desenvolvimento de materiais pedagógicos organizados e disponíveis pela internet (a “educopédia”) programas de capacitação de professores e um programa de implantação de escolas em tempo integral (a lista de ações empreendidas está disponível aqui). Para muitas destas ações, foram estabelecidas parcerias com organizações privadas que pudessem contribuir com recursos, ideias e concepções novas para romper o histórico círculo vicioso de má qualidade e ineficiência da Secretaria.

Um projeto como este não teria como se implantar sem resistência, e as críticas se concentravam em dois pontos principais: as avaliações de desempenho e as parcerias externas. Por detrás do trabalho da Secretaria, diziam, haveria um plano sinistro de “privatizar” a educação do Rio de Janeiro, e de – o maior pecado – submeter os professores a avaliações de mérito. No final de 2013 a secretaria foi sacudida por uma greve política cujo principal objetivo não era salarial, mas a desmontagem de todo o projeto pedagógico dos anos anteriores. Com a saída de Costin, a questão agora é se este projeto vai ser continuado e fortalecido pela Prefeitura, ou vai tudo voltar ao que era antes, para a infelicidade das crianças deste rico e pobre Estado do Rio de Janeiro.

 

 

Trackback

2 comments untill now

  1. Ana Maria de Rezende Pinto. @ 2014-03-26 16:11

    Prezado Simon:
    Muito boas suas ponderações sobre o trabalho e o projeto de Claudia Costin na Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e muito merecida a homenagem a ela proferida.De momento, veio- me a memória o fato de o Rio de Janeiro( Estado e município) ter contado, em época recente, com grandes nomes da Educação entre seu quadros dirigentes.No entanto, as experiências não vingam e não perduram.Talvez, esteja na hora de a sociedade civil olhar mais de perto para este fator perverso que impede desenvolvimento da educação deste Estado, berço do Colégio Pedro II, referência histórica na qualidade de formação de Normalistas, para o pais.
    Atenciosamente,
    Ana Maria de Rezende Pinto

  2. augusto jose de sa campello @ 2014-03-26 21:29

    Boa noite.

    O que comentar ? Tristeza ? Indignação ? Não é a primeira greve política que vejo. AjsCampello