Simon

Simon Schwartzman por Léo Ramos

Simon Schwartzman, nascido em Belo Horizonte é pesquisador do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade no Rio de Janeiro. Foi, entre 1994 e 1998, Presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e, entre 1999 e 2002, diretor para o Brasil do American Institutes for Research.

Estudou sociologia, ciência política e administração pública na Universidade Federal de Minas Gerais (1961); tem um mestrado em sociologia pela Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO), Santiago do Chile (1963); e Ph.D. em ciência política pela Universidade da Califórnia, Berkeley (1973).  Foi professor da Universidade Federal de Minas Gerais, tendo sido afastado pelo golpe militar de 1964 e reintegrado em 2000, quando se aposentou.

Vive no Rio de Janeiro desde 1969, tendo trabalhado como professor e pesquisador na Fundação Getúlio Vargas, na Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP, 1976-1980) e, até 1988, no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. Foi professor de ciência política da Universidade de São Paulo (1990-1994) e da Universidade Federal de Minas Gerais. No exterior, foi, entre outros, pesquisador visitante do Woodrow Wilson International Center for Scholars (1978), “Tinker Professor of Latin American Studies” na Columbia University (1986), professor visitante na School of Education e Center for Studies on Higher Education, the University of California, Berkeley (1985), professor da cátedra Joaquim Nabuco de Estudos Brasileira da Stanford University (2001), e pesquisador visitante na École Pratique des Autes Études in Paris (1982/3), no Swedish Collegium for Advanced Study in the Social Sciences em Uppsala (1986), no St. Anthony’s College, Oxford (1994), e no Centre for Brazilian Studies, Oxford (2003).

No primeiro semestre de 2004, foi professor visitante de Departamento de Sociologia da Universidade de Harvard, ocupando a Robert F. Kennedy Professorship of Latin American Studies. Foi, por muitos anos, editor de Dados – Revista de Ciências Sociais, e é membro do Conselho Editorial dos Anais da Academia Brasileira de Ciências e de várias revistas científicas no Brasil e no exterior. Foi presidente da Sociedade Brasileira de Sociologia, do Comitê de Pesquisa em Sociologia da Ciência da International Sociological Association, e é membro da Academia Brasileira de Ciências. Em 1996, recebeu a Grã Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico do governo Brasileiro.

Seus primeiros trabalhos tratam de temas de desenvolvimento político em uma perspectiva histórica e comparada, com ênfase no Brasil. Depois, passou a se dedicar aos temas relativos aos aspectos sociais e políticos da produção do conhecimento na ciência, tecnologia e na educação; mais recentemente, tem se interessado pelas questões de pobreza e política social. Participou, em 1985, da Comissão Nacional de Reformulação da Educação Superior Brasileira, da qual foi relator. Em 1993/94. dirigiu uma equipe de trabalho encarregada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia e o Banco Mundial de elaborar um policy paper sobre a política brasileira de ciência e tecnologia. As conclusões deste trabalho foram publicadas em três volumes pela Editora da Fundação Getúlio Vargas. Em 2000, realizou um estudo para o Escritório da UNESCO na América Latina (OREALC) sobre o futuro da educação na América Latina e no Caribe. Em 2006-7, coordenou um estudo sobre universidade e desenvolvmento na América Latina, com apoio da Fundação Ford. Os documentos relativos a estas atividades estão disponíveis neste site.

Consulte o currículo completo na Plataforma Lattes para maiores informações.

Um depoimento da história de vida profissional, em vídeo,  está disponível no projeto “Cientistas Sociais de Língua Portuguesa” do Centro de Pesquisas e Documentação em História Contemporânea da Fundação Getúlio Vargas.