Subsídios para a reformulação do Ensino Médio

A convite da Comissão Especial para Reformulação do Ensino Médio – CEENSI da Câmara de Deputados, participei em 13/08/2013 de uma audiência pública aonde tive a oportunidade de apresentar algumas propostas sobre como o ensino médio brasileiro deveria ser reformulado. Os pontos principais desta proposta são diversificar , permitindo que os estudantes escolham as áreas a que queriam se dedicar;  fazer com  que o ensino técnico de nível médio seja uma opção, e não, como é hoje, uma formação subsidiaria ao ensino médio tradicional; aprofundar,  dando condições para que os estudantes dediquem mais tempo a duas ou três áreas de estudo, no lugar do currículo extenso e pesado que existe hoje; e alterar o ENEM, que deve deixar de ser uma prova única de todas as áreas e ser substituído por uma variedade de avaliações e certificações técnicas e profissionais conforme as opções dos alunos.  A proposta inclui também a necessidade de manter e aprofundar as competências no uso do português, do raciocínio lógico e matemático e da língua inglesa, tanto quanto possível de forma integrada com as áreas de  estudo escolhidas. Esta reformulação, que requer mudanças na legislação,  não resolveria outros problemas que afetam a educação brasileira como um todo, como a má formação e carência de professores em determinadas disciplinas, escolas com instalações precárias, cursos noturnos e problemas de mau gerenciamento. Mas permitiria que fossem buscados novos caminhos e que a educação secundária brasileira deixasse de ser a anomalia que é por sua concepção equivocada.

O texto da proposta está disponível aqui.

 

 

Author: Simon

Simon Schwartman é sociólogo, falso mineiro e brasileiro. Vive no Rio de Janeiro

5 thoughts on “Subsídios para a reformulação do Ensino Médio”

  1. Boa noite.

    Pensei, vejo que erradamente, que o tema levaria a uma troca mais alentada de idéias.

    Não conheço a fundo os parâmetros da “Escola Única”. Mas, penso em algumas “experiências” do passado. Penso no Grupo Escolar Olavo Bilac, em Resende/RJ onde estudei. E ao qual voltei anos depois já como funcionário público. Justo na época dos CIEPs aqui no Rio, também. Das inúmeras reuniões e conversas, mesmo as informais, restou-me a impressão de que se tratava de algo bastante semelhante muito embora separadas – as escolas e/ou “modelos”, por décadas.

    Modelos “únicos”, me parece têm, em nosso país, tudo para não funcionar a contento. Temos, felizmente, uma diversidade de usos e costumes a serem respeitados. E realidades sócio e econômicas também diversificadas.

    Denominadores comuns? Certamente os há. Mas, embora signifique muito trabalho, creio ser não apenas possível mas recomendável o respeito à diversidade. Que não é imutável no tempo.

    Pela vertente de um pensamento em escala macro, realmente sinto com pesar a ausência ou esgarçamento e redução de importância no que poderia ser uma Política de Estado para a Educação. Ao invés da manutenção de paradigmas ultrapassados, como por exemplo a gratuidade do ensino superior universal ( nas U. Públicas) e a introdução das tais : “Políticas Públicas” aqui e ali ao menos que pareça, de forma desarticulada.

    Esta desarticulação, me parece, tem início mesmo na existência de órgãos centrais, com poder normativo, mas atuando, formalmente,
    em separado. A ponto de um ministro indagar o que museus têm a ver com educação. Aparentemente sem se dar conta da tendência de considerar museus como extensões e mesmo polos de difusão de educação. Ultrapassada a muito a noção antiquada de “coleções” extáticas e isoladas do alunado em aprendizado.
    Ajscampello

  2. Boa noite.
    Li a proposta. Bem articulada.
    O pouco que conheço deste campo – Educação, me conduz a um mínimo de balizamentos centrais e a muita diversificação.
    Em apoio a esta maneira de pensar trago à consideração dos que se interessam o fato de que, se em um ente federado ou em uma região que se estenda além das fronteiras políticas de entes federados, prevê-se que em “X” anos pretende-se implantar um destes portos de que tanto se fala, ao menos uma parcela dos cursos técnicos podem e devem ser reorientados para as profissões a serem demandadas. E, fica evidente que o Ensino Médio pode e deve, também ser reorientado alterando-se a ênfase neste ou naquele sentido.
    O engessamento , a centralização, podem resolver questões de Educação em países com pouca diversidade regional e pouca extensão geográfica. No nosso, penso que pode exacerbar ao invés de resolver.
    Boa noite. Ajscampello

  3. Prezado Simon,
    Sua proposta é um excelente esforço para conferir objetividade a Oferta do Ensino Médio .
    1-Destaco como contribuição mais importante o item -2, “dimensão institucional “. Não tenho comentários a fazer.
    2-Na “reforma curricular”, gostaria de entender o porquê da sua opção pela matemática, em detrimento, da física, da química e da filosofia- as bases do pensamento moderno. No que tange a filosofia, não me refiro ao conteúdo em si mas,mas o desenvolvimento da lógica, da dúvida sistemática, da dialética, enfim de formas de raciocínio rigoroso. Da Física fiquemos com a capacidade de imaginar o mundo físico, com suas leis e caos. Falta a nós brasileiros, a capacidade de pensamento rigoroso, capaz de encaminhar uma questão deste seu enunciado, inicial ,até a sua condução operacional , com sua marchas e contramarchas, teses, antíteses e sínteses, quando for o caso.
    3- A Certificação Profissional é ótima proposta. Fico, contudo, na dúvida se não representaria, para o estudante, mas uma cadeia de obstáculos a sua inserção profissional. Ainda que considere ser esta solução mais pertinente para comprovar o exercício profissional.
    4- Aspecto mais delicado da proposta: articular uma proposta de “Diversificação do Ensino Médio” quando há consenso na academia, exaustivamente trabalhado, ao longo de década, sobre a proposta de uma “Escola Única”. Consenso este que se espraiou para escolas e docentes.Esta discussão corre ao mínimo de 20 anos.c

    Atenciosamente,
    Ana Maria de Rezende Pinto

Leave a Reply to augusto jose de sa campello Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial